VEJA PORQUE OS VINHOS CHILENOS NÃO DEIXAM NADA A DESEJAR EM RELAÇÃO AOS EUROPEUS

A enologia no Chile tem poucos anos de desenvolvimento quando comparado aos países europeus. Em apenas 25 anos alcançamos um grande e inesperado sucesso. 

Além de produzir vinhos de alta qualidade, o Chile é um dos principais exportadores. Atualmente fica em primeiro lugar entre os exportadores fora de Europa e em quarto lugar a nível mundial. São exportados aproximadamente 850 milhões de litros por ano! Os principais países consumidores do vinho chileno são: China, Estados Unidos, Brasil, Canadá e Reino Unido.

MAS, QUAL É O SEGREDO DO SUCESSO?

Quem prova os vinhos chilenos se pergunta: qual é o segredo para que o Chile tenha tanto destaque na produção de vinhos?

EXCEPCIONAL CONDIÇÃO GEOGRÁFICA:

A geografia do Chile é perfeita para a produção de vinhos, seu território funciona como uma espécie de ilha. Entenda melhor: Ao Norte, o território chileno é protegido pelo deserto mais árido do mundo, o Deserto de Atacama, ao Sul, pela gélida Patagônia, ao Leste a guardiã é a Cordilheiros dos Andes, e a Oeste o mesmo papel é responsabilidade do Oceano Pacífico.
Esse “isolamento” natural protege as vinícolas de qualquer tipo de praga. 

É graças a essa proteção proporcionada pela geografia, que as vinícolas chilenas sobreviveram à terrível praga da Filoxera, inseto que quase dizimou a produção de vinhos de todo o mundo no início do século XIX.
Hoje o Chile é o único grande produtor do mundo que está 100% livre da temida Filoxera. 


Essa posição geográfica, não somente entrega ao Chile uma variedade de paisagens maravilhosas, como também garante uma produção de vinhos excelentes e mais diversificados. Essas características são únicas deste país.

O CLIMA:

A variação do clima mediterrâneo, com verões muito quentes e invernos secos, fazendo com que o desenvolvimento das uvas aconteça naturalmente, permitindo um sabor mais puro, concentrado e saboroso.
O Chile tem regiões de vinícolas bastante diferentes entre si, mas todas se beneficiam da abundância de luz do sol e clima seco, que ajudam no combate a doenças. 
A falta de chuvas pode ser desafiadora, mas as vinícolas do país conseguem combater essa dificuldade com engenharia e tecnologia. Cerca de 75% dos vinhos produzidos no Chile são considerados sustentáveis, ou seja não desperdiçam água nem insumos.
As variedades de uva vão ser plantadas dependendo totalmente do clima: as regiões quentes, no interior fornecem uvas intensas que geralmente são para produção de vinho tinto. Enquanto no litoral, com a influência do Oceano Pacífico, que é mais frio, se produzem uvas mais delicadas, para vinhos brancos.

SOLO:

Os solos no Chile contém nutrientes específicos do local onde se localizam. Assim, as vinhas produzem um produto final que, transformado em vinho, traz um sabor mais frutado ou ácido.

PREÇO:

Se comparamos o vinho chileno com os vinhos europeus, o chileno tem um menor preço. Isso só acontece porque ele é feito em grandes quantidades, o aproveitamento da produção é total e a mão de obra é mais barata. 
Geralmente as taxas de importação e exportação também garantem um produto com preço menor. Quem ganha com tudo isso é o consumidor.

PRINCIPAIS REGIÕES E UVAS:

A principal região de produção de vinhos se encontra no Valle Central, que engloba outros quatro valles: Maipo,
Rapel, Curicó e Maule.
Quanto às uvas, a Cabernet Sauvignon é a tinta mais comum no Chile, com destaque também para Carménère, Merlot, Syrah, Pinot Noir, Carignan, País, Malbec, Cinsault e Petit Verdot. 
Entre as brancas, destacam-se a Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, Sémillon e Viognier.

CARMÉNÈRE: A EMBLEMÁTICA CHILENA

Com a devastação dos vinhedos da França pela Filoxera, algumas variedades foram consideradas extintas naquele país, uma delas foi a Carménère. Porém, ela foi levada ao Chile pelos imigrantes europeus, como ocorreu com a Merlot e por muitos anos foi confundida.
Até que, em 1994, Jean-Michel Boursiquot (um enólogo francês especialistas em identificação de vinhos) fez uma pesquisa genética, comparando as variedades e identificou que algumas uvas conhecidas como a Merlot, eram, na verdade, a Carménère. Então, foi em solo chileno que a Carménère foi “ressuscitada”.
Agora você já sabe porque os vinhos chilenos são tão bons!

VENHA VIVER A EXPERIÊNCIA DE DEGUSTAR UM BOM VINHO NO CHILE!

PASSEIO RECOMENDADO:

Andes Experience & Wine (outubro a abril)

Prepare-se para uma experiência sensorial na cordilheira dos andes, degustando vinhos harmonizados com queijos, chocolates e frutas.
Neste passeio você tem a oportunidade de fazer uma visita à Valle Nevado para tirar lindas fotos, realizar uma atividade de verão no parque de Farellones e depois, com a sorte de um clima aberto, assistir um lindo pôr do sol no Nido de Los Condores (ambiente exclusivo de Farellones) enquanto degusta vinhos de excelente qualidade.
Uma experiência única, que só é possível com a Sousas Tour!

ALGUMAS VINÍCOLAS PARA VISITAR COM A SOUSAS TOUR:

Concha y Toro: que abriga o famoso Casillero del Diablo, é uma das vinícolas mais conhecidas e visitadas pelos turistas.

Santa Rita: uma das mais antigas e tradicionais do Chile, representando um importante valor cultural na reconhecida vinicultura do país.

Undurraga: uma das mais tradicionais e bem conhecidas vinícolas do Chile.

Emiliana: acredita que através de uma agricultura sustentável é possível obter vinhedos mais equilibrados, saudáveis e uvas com melhor qualidade e, portanto, vinhos com sabor único.

Casa del Bosque: permanece até hoje como uma vinícola 100% familiar. Com um único vinhedo de 235 hectares dedicados exclusivamente à produção de variedades de clima frio, como Sauvignon Blanc, Chardonnay e Pinot Noir.

Montes: a sede da vinícola é bonita, interessante e moderna, toda sua estrutura foi desenvolvida de acordo com os princípios do Feng Shui, com o intuito de equilibrar os quatro elementos naturais, o que confere ainda mais personalidade à vinícola.

Lapostolle: nos mais de 370 hectares em três diferentes vinhedos são produzidos vinhos Sauvignon Blanc, Chardonnay, Cabernet Sauvignon, Merlot, Carmenère e Syrah.

Compartilhe este post!

1 Comentário

Deixe aqui seu comentário